Independente das idas e vindas do cenário econômico, a indústria de alimentos e bebidas vem mantendo um crescimento acima das expectativas, com cerca de 4,6% conforme a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A indústria do fumo segue o mesmo fluxo. O país é o segundo maior produtor de tabaco e exporta cerca de 80% do seu excedente para outros países.

É claro que todo esse desenvolvimento industrial implica na necessidade da implantação de novas tecnologias e de diferentes tipos de chapas de aço como as perfuradas, expandidas e recalcadas, por exemplo.

Aliás, acompanhando essa tendência de crescimento, o consumo nacional de produtos siderúrgicos segue o mesmo crescimento, registrando no mês de agosto uma alta de 11,4%, que representou o acúmulo de 1,9 milhão de toneladas.

Saiba mais a respeito na matéria que publicamos aqui no nosso blog: A importância das chapas de aço na indústria de máquinas. 

A importância dos setores

A industrialização de máquinas e equipamentos para as indústrias de alimentos, bebidas e fumo, peças e acessórios é classificada pelo CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) com o código 2862300 e oficialmente adotada pelos órgãos federais, estaduais e municipais.

O órgão relaciona uma lista com diversos códigos de atividades econômicas, contendo critérios utilizados para realizar o enquadramento das empresas no código correto e padronizá-las nacionalmente.

A lista, envolvendo as chapas de aço na sua fabricação, inclui os setores: frigoríferos, produções agrícolas, maquinários para a indústria de laticínios, equipamentos para calefação elétrica, aparelhos para a conservação de frutas e legumes, panificação; indústrias do açúcar, fumo, alimentos, bebidas, óleos; máquinas para a preparação de alimentos em hotéis e restaurantes, entre outras.

Ou seja, o conjunto de todos esses maquinários e equipamentos ajudam a mover a economia do país e a manter a estabilidade necessária para o desenvolvimento esperado.